Flavio Bolsonaro e Jair Bolsonaro

O poder dos matadores

A Agência Pública trouxe, essa semana, entrevista com o sociólogo José Cláudio Souza Alves, ex-pró-reitor de Extensão da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), a respeito das milícias (veja aqui). Ele estuda o fenômeno há 26 anos e é autor do livro “Dos Barões ao extermínio: a história da violência na Baixada Fluminense”.

A crise penitenciária

Não se sabe exatamente o que o Governo Federal fará na área da Segurança Pública. Os pontos sustentados na campanha eleitoral por Jair Bolsonaro envolvem, basicamente, três diretrizes: a) maior facilidade à população para o acesso às armas de fogo; b) endurecimento da execução penal com redução de benefícios legais aos presos e c) exclusão

Sobre o nacionalismo e o alerta de Harari

O tema do nacionalismo merece uma reflexão cuidadosa. Tradicionalmente, as visões nacionalistas caracterizam as perspectivas político-ideológicas conservadoras. As visões mais extremadas do nacionalismo, aliás, embalaram o fenômeno totalitário nas versões do fascismo e do nazismo.  Nem sempre, entretanto, o nacionalismo foi uma característica da direita. No período stalinista, o regime operou uma ruptura com um

Crime e Vida Cotidiana

Falácias sobre o crime

Acaba de sair a 6ª edição de Crime & Everiday Life (“Crime e Vida Cotidiana), do casal de sociólogos americanos Marcus Felson e Mary Eckert, um dos estudos mais interessantes da Criminologia contemporânea, totalmente revisado, com novos temas e dados atualizados. Felson é professor na Universidade do Estado do Texas e é mundialmente reconhecido por

A democracia e os lobos

A democracia e os lobos

“O país segue sendo uma democracia, mas, em seu centro, temos uma obsessão antidemocrática. Até quando a democracia sobreviverá à vocação autoritária que se aninhou em seu peito”? A possibilidade de que uma plataforma política de extrema-direita, com características neofascistas, pudesse vencer as eleições no Brasil me atormentou nos últimos anos como um horizonte escuro

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, conversa com jornalistas após visita ao Comando da Aeronáutica,em Brasília.

Não vejo nenhum problema, tá OK?

Durante a campanha, Bolsonaro repetiu que sua política externa seria orientada pelo objetivo de “negociar com todos, sem preferências ideológicas”. Antes mesmo de assumir, o presidente eleito anuncia iniciativas que evidenciam conduta oposta, hostiliza os mais importantes parceiros comerciais do Brasil e atrela os interesses nacionais à política bizarra de Donald Trump. Há 38 anos,